Home

Ana Hidalgo. Hallar una hendidura, 2011. Point de lunettes.

LA MANIPULACIÓN DE LOS MATERIALES

(Manuel Millares)

Necesitaba la manipulación de los materiales para deducir, necesitaba la inferioridad para poder argumentar, necesitaba el uso, el procedimiento, sostener un clavo entre mis dedos, depositar el clavo en la estantería, acercar el clavo a los libros de la estantería, la manipulación de la superficie, la manipulación de mis dedos que ya no son sólo mis dedos sino mis dedos y el clavo, la manipulación de la estantería que ya no es sólo la estantería, la manipulación y entonces el contacto, deducir la indignidad y el calor, ser indigna, sentir calor. Necesitaba la manipulación de los materiales para obtener la lógica de la estructura, necesitaba el acto para poder concluir, la violencia para dar gracias, atar una cuerda a dos sillas, unir dos sillas con la cuerda, cortar la cuerda, las sillas no pueden amarse pero yo puedo hablar de las sillas, puedo deducir el habla, deducir la imprudencia aunque las sillas no se hallan amado, puedo deducir aunque las sillas tuvieran su propia finitud antes de la cuerda y antes de la cuerda cortada, puedo actuar con imprudencia y conclusión, actuar, la insistencia, lo manipulado, lo obligado. Necesitaba la preparación de los materiales para la evidencia, necesitaba el dominio para el agradecimiento, necesitaba la modificación, el uso, poner el clavo entre mis labios y la cuerda cortada entre mis pies, no aguardar, no pedir, un clavo nunca habría imaginado que estaría entre mis labios pero hay un calvo entre mis labios y deduzco, hay un clavo entre mis labios que modifica todo lo que ha sucedido hasta ahora, hay un clavo entre mis labios que establece la totalidad, la totalidad y el artificio, lo manipulado, lo incompleto, la persecución.


A MANIPULAÇÃO DOS MATERIAIS

(Manuel Millares)

Necessitava da manipulação dos materiais para deduzir, necessitava da inferioridade para poder argumentar, necessitava o uso, o procedimento, manter um prego entre os meus dedos, depositar o prego na estante, aproximar o prego aos livros da estante, a manipulação da superfície, a manipulação dos meus dedos que já não são só os meus dedos mas os meus dedos e o prego, a manipulação da estante que já não é só a estante, a manipulação e então o contacto, deduzir a indignidade e o calor, ser indigna, sentir calor. Necessitava da manipulação dos materiais para obter a lógica da estrutura, necessitava o ato para poder concluir, a violência para agradecer, atar uma corda a duas cadeiras, unir duas cadeiras com a corda, cortar a corda, as cadeiras não podem amar-se mas eu posso falar das cadeiras, posso deduzir a fala, deduzir a imprudência ainda que as cadeiras não se tenham amado, posso deduzir ainda que as cadeiras tiveram a sua própria finitude antes da corda e antes da corda cortada, posso actuar com imprudência e conclusão, actuar, a insistência, o manipulado, o obrigado. Necessitava da preparação dos materiais para a evidência, necessitava o domínio para o agradecimento, necessitava a modificação, o uso, pôr o prego entre os meus lábios e a corda cortada entre os meus pés, não aguardar, não pedir, um prego nunca teria imaginado que estaria entre os meus lábios mas há um prego entre os meus lábios e deduzo, há um prego entre os meus lábios que modifica tudo o que aconteceu até agora, há um prego entre os meus lábios que estabelece a totalidade, a totalidade e o artifício, o manipulado, o incompleto, a perseguição.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s