Home

Roberto Piva. Paranoia. 1963, Editora Massao Ohno

 

Meteoro

 

Yo diré las palabras más terribles esta noche

        mientras los minuteros se disuelven

        contra mi poder

         contra mi amor

en el sobresalto de mi mente

         mis ojos danzan

en lo alto de Lapa los mosquitos me sofocan

¿qué me importa saber si las mujeres son

        fértiles si Dios cayó en el mar si

        Kierkegaard pide socorro en una montaña

         de Dinamarca?

 

los teléfonos gritan

aisladas criaturas caen en la nada

los órganos de carne hablan muerte

        muerte dulce carnaval de la calle del

        fin del mundo

yo no quiero elegías pero sí los lirios

        de hierro de los recintos

hay una epopeya en las ropas colgadas contra

         el cielo ceniza

y los anuncios luminosos me observan del espacio alucinado

¿cuántos lindos muchachos yo no vi bajo esta luz?

 

yo gritaba medio loco medio exaltado medio hendido

narcóticos santos oh gato azul de mi mente!

no puedo detener nunca más mis Delirios

Oh Antonin Artaud

Oh García Lorca

         con sus ojos de aborto reducidos

         a retratos

 

                                    almas

                                            almas

                                               como icebergs

                                               como velas

                                               como maniquíes mecánicos

y el clímax fraudulento de los sándwiches almuerzos

       sorvetes controles ansiedades

necesito cortar los cabellos de mi alma

necesito tomar cucharadas de

      Muerte Absoluta

yo no diviso más nada

mi cráneo dice que estoy embriagado

suplicios genuflexiones neurosis

      psiconalistas ensartando mi pobre

       esqueleto de vacaciones


 

METEORO
Eu direi as palavras mais terríveis esta noite
enquanto os ponteiros se dissolvem
contra o meu poder
contra o meu amor
no sobressalto da minha mente
meus olhos dançam
no alto da Lapa os mosquitos me sufocam
que me importa saber se as mulheres são
férteis se Deus caiu no mar se
Kierkegaard pede socorro numa montanha
da Dinamarca?

os telefones gritam
isoladas criaturas caem no nada
os órgãos de carne falam morte
morte doce carnaval de rua do
fim do mundo
eu não quero elegias mas sim os lírios
de ferro dos recintos
há uma epopéia nas roupas penduradas contra
o céu cinza
e os luminosos me fitam do espaço alucinado
quantos lindos garotos eu não vi sob esta luz?

eu urrava meio louco meio estarrado meio fendido
narcóticos santos ó gato azul da minha mente!

eu não posso deter nunca mais meus Delírios
Oh Antonin Artaud
Oh Garcia Lorca
com seus olhos de aborto reduzidos
a retratos

almas
almas
como icebergs
como velas
como manequins mecânicos
e o clímax fraudulento dos sanduíches almoços
sorvetes controles ansiedades
eu preciso cortar os cabelos da minha alma
eu preciso tomar colheradas de
Morte Absoluta
eu não enxergo mais nada
meu crânio diz que estou embriagado
suplícios genuflexões neuroses
psicanalistas espetando meu pobre
esqueleto em férias

eu apertava uma árvore contra meu peito
como se fosse um anjo
meus amores começam crescer
passam cadillacs sem sangue os helicópteros
mugem
minha alma minha canção bolsos abertos
da minha mente
eu sou uma alucinação na ponta de teus olhos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s