Home

Imagem: Nathaniel Dorsky

 

Manuel DarribaSanta morte. (Galaxia, 2019)

 

POÉTICA

 

Este exceso de luz espallada

Que afoga a claridade do simple

Para aviso e instrución do pintor

_Se cadra saudoso da era

En que o mundo eran bestas e meteoros_

 

Desaugará nun ventre de cova

Onde a noite goberna o baleiro.

 

Pois a tona do inefable

Persiste no visible.

 

E se faltan as fervenzas

Abondarán os ourives.


POÉTICA

 

Este excesso de luz espalhada

Que afoga a claridade do simples

Para aviso e instrução do pintor

_Se calhar saudoso da era

Em que o mundo eram bestas e meteoros_

 

Desaguará num ventre de cova

Onde a noite governa o vazio.

 

Pois a tona do inefável

Persiste no visível.

 

E se faltam as cascatas

Bastarão os ourives.


POÉTICA

 

Este exceso de luz esparcida

que ahoga la claridad de lo simple

para aviso e instrucción del pintor

_ añorante quizás de la era

en que el mundo eran bestias y meteoros_

 

desaguará en un vientre de cueva

donde la noche gobierna el vacío.

 

Pues un asomo de lo inefable

persiste en lo visible.

 

Y si faltan las cascadas

bastarán los orfebres.


Revisora da tradução para português: Sara I. Veiga

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s